Reclamações sobre falta de energia sobem 40% em Brasília após a privatização

Reclamações de falta de energia elétrica aumentaram no Distrito Federal após a privatização da companhia que distribui o serviço a moradores da capital. A Neoenergia assumiu o fornecimento de energia em Brasília em março deste ano. Desde então, até setembro, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) recebeu 385 reclamações por falta de energia no Distrito Federal. Entre março e setembro de 2020, foram 275.

Isso representa um aumento de 40% neste ano em relação ao mesmo período do ano passado.

No final do mês de setembro, a Neoenergia apresentou um plano de ações para o período chuvoso de 2021 e 2022, com ações que envolvem inspeção, manutenção, melhorias e instalação de tecnologias na rede elétrica na capital do país para reduzir o volume de interrupções ao cliente.

Apesar disso, com a volta da chuva neste período do ano, várias regiões do Distrito Federal registraram falta de energia elétrica nos últimos dias do mês de setembro.

Os apagões já causaram mais do que transtornos aos moradores. Por exemplo, em 17 e 18 de setembro, uma oscilação de temperatura queimou um freezer do ambulatório do Hospital de Base. Como resultado, a unidade de saúde perdeu 120 bolsas de sangue.

Uma bolsa doada tem cerca de 460 ml e, após a coleta, o sangue é fracionado em quatro partes. Um deles é o concentrado de hemácias, que precisa ser armazenado em baixa temperatura. Com o problema no freezer, essa divisão do sangue acabou sendo perdida.

Dias depois, a falta de energia causou mais problemas na saúde. Em 22 de setembro, o Hospital de Sobradinho precisou retirar às pressas gestantes e bebês após queda de energia no bloco materno-infantil da unidade. A Secretaria de Saúde ainda decretou bandeira negra, quando o hospital fica fechado total ou parcialmente para receber novos pacientes, usada em situações de emergência.

*Fonte: Ana Karolline Rodrigues e Celimar de Meneses do Metrópoles

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.