Oportunidades de emprego no DF oferecem vagas de até R$ 4,7 mil

O rapaz foi chutado e xingado por seguranças do Arena Bar, no último final de semana

Entrada da Decrin
Dênio Simões/Agência Brasília
O estudante de engenharia de software Pedro Lima, 21 anos, um jovem negro, diz ter sofrido racismo por parte de seguranças do Arena Bar na madrugada do último sábado (21/11). Segundo relato do jovem, os seguranças o impediram de usar o banheiro do local, o chutaram e o chamaram de “preto fodido”.Ainda no Dia da Consciência Negra, na sexta-feira, o rapaz foi comemorar o aniversário de uma amiga no Arena Bar. Depois de ingerir bebidas alcoólicas, ele passou mal e precisou ir ao banheiro, já na madrugada de sábado.

Segundo ele, por volta da 1h30, vários seguranças abriram violentamente a porta do banheiro com um chute e expulsaram Pedro, gritando: “Sai, preto fodido!”.

“Só tive tempo de sair correndo. Eu me senti humilhado. Enquanto corria, escutei os seguranças rindo de mim”, lembrou o estudante, em entrevista ao Metrópoles. Depois de se recuperar e entender o ocorrido, o jovem, que já trabalhou como freelancer no bar e acreditava estar seguro naquele ambiente, tentou conversar com um dos seguranças.

“Ele veio pra cima de mim e quando coloquei a mão na frente para me proteger ele provocou: ‘Tá ficando maluco?’”, afirmou Pedro. Depois disso, ele e o irmão saíram do bar e tentaram falar com os responsáveis pelo estabelecimento na área externa.

“Não estamos seguros”

Lucas Lima, 25 anos, psicólogo e irmão mais velho de Pedro, afirma que os donos do bar negaram qualquer problema. “Foi uma postura assustadora. O dono do bar, um homem negro, afirmou que não existia racismo. Quem inventaria uma história dessas?”, questionou.

A família e os amigos de Pedro foram orientados pela polícia a abrir um boletim de ocorrência, o que foi feito no dia seguinte. “A sensação que dá é que não estamos seguros em lugar algum, de que a qualquer momento podemos sofrer agressões. Acredito que os seguranças naquele momento pensavam que nada aconteceria a eles”, desabafou Pedro.

O caso é investigado pela Delegacia Especial de Repressão aos Crimes por Discriminação Racial, Religiosa ou por Orientação Sexual ou Contra a Pessoa Idosa ou com Deficiência (Decrin), da Polícia Civil do DF.

Em nota à imprensa, o Arena Bar se desculpa pelo ocorrido.

Veja a íntegra:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

O Arena Bar informa que não compactua com nenhum tipo de violência e confia nas instituições responsáveis por investigar o episódio. A direção do estabelecimento se coloca à disposição das autoridades para quaisquer esclarecimentos.”

Informações Metrópoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.