História de Brazlândia

História de Brazlândia

Localizada a 59 quilômetros do Plano Piloto, é a cidade que tem perfil mais diferente de Brasília. Com 53 mil moradores, pode ser descrita como uma ilha de paz, história e muita tradição.

UM JEITO CALMO DE VIVER

Brazlândia é, no Distrito Federal, a cidade mais distante de Brasília, a 59 quilômetros do Plano Piloto. Por acaso, ou não, é também a que mais se diferencia do dia-a-dia da Capital Federal. Com um ritmo de vida interiorana e economia baseada na produção agrícola, tem história bem mais antiga do que a maioria das outras regiões administrativas do DF. Cheia de famosos nomes de famílias e pioneiros com histórias de épocas distantes. Hoje, Brazlândia é marcado por ambientes bucólicos, cachoeiras e bate-papo à beira do Lago Veredinha. Tem também grande potencial turístico, sendo muito procurado por suas festas agrícolas, como a do Morango ou a do Leite, e religiosas, caso da Festa do Divino ou o Encontro da Mãe com o Filho.

Tanto a tradição agrícola quanto a religiosa tem raízes no começo do século 20, quando quatro famílias goianas e mineiras aportaram nas terras da chapada do Vão dos Angicos. Foram os Abreu de Lima, os Rodrigues do Prado, os Cardoso de Oliveira e os Braz de Lima, os Rodrigues do Prado, os Cardoso de Oliveira e os Braz quem povoaram a terra que futuramente seria Brazlândia.

O desenvolvimento foi trazido, principalmente, pelos Braz, de Carmo do Paranaíba, em Minas, e pelos Cardoso de Oliveira, de Posse, em Goiás, que já tinham tradição como agricultores e pecuaristas. Os dois clãs logo estabeleceram relação familiar e de negócios, realizando atividades agras pastorais nas três décadas seguintes.

No início dos anos 30, as famílias conseguiram, por influência política, que o povoado fosse elevado à categoria de distrito de Santa Luiza (hoje Luziânia). Tanto os Braz quanto os Cardoso de Oliveira tinham negócios na cidade goiana. Foi quando o lugar recebeu o nome de Brazlândia, em homenagem à família mais numerosa da região. O decreto criando o distrito é de 15 de abril de 1932, sendo a data mais significativa para a cidade. Mesmo assim, o aniversário é comemorado em 5 de junho, porque foi nessa data, em 1933, que foi criada a subprefeitura de Brazlândia.

A vinda da capital

A decisão do presidente Juscelino Kubitschek de levar a Capital Federal para o Plano Piloto Central mudou o rumo da pequena Brazlândia. Já em 1958, foram desapropriados, amigavelmente, mais de mil alqueires da cidade. Apenas a área que circundava a sede urbana de Brazlândia não foi transferida para o Governo.

Muitas das antigas fazendas da região desapareceram depois do represamento do Rio Descoberto e a formação do Lago do Descoberto, destinado para acumulação de água potável para Brasília. Hoje a represa é responsável pelo abastecimento de mais de 60% da água de todo DF.

Se na época da inauguração de Brasília, Brazlândia, já incorporada ao DF, tinha menos de mil moradores, nos anos seguintes a cidade experimentou em crescimento acelerado. Centenas de agricultores japoneses e procedentes de outras partes do país foram assentados no Núcleo Rural Alexandre Gusmão. Outros tanto migrantes de Goiás se instalaram na zona urbana. No final dos anos 60, foi criado u loteamento de duas mil casas para assentar a os moradores da favela Vietcong, perto de Taguatinga.

Em meados da década de 80, quando foi criada a Vila São José, a população de Brazlândia era de 25 mil habitantes. O que não mudou tanto o modo de vida calmo dos moradores, ainda presente nas antigas e novas ruas. Hoje com cerca de 53 mil moradores, Brazlândia é uma potência agrícola do DF e começa a explorar turisticamente a região, riquíssima em belezas naturais e com festividades tradicionais o ano todo.

Etimologia
O nome Brazlândia originou-se em homenagem à família Braz, os primeiros habitantes do local e fundadores de um vilarejo, que em 1933 se tornaria a cidade de Brazlândia

 

Famílias Pioneiras

OS BRAZ
Proprietários das terras onde hoje está localizada a cidade, na verdade não residiam na região, aqui chegando por volta de 1910, após outras duas famílias que já ocupavam parte das terras, os Abreu Lima e os Rodrigues do Prado.Os herdeiros do espólio de Amélia Braz de Queiroz, chefiados por João Braz Sobrinho, resolveram explorar a outra parte das terras que lhe restaram e aqui fixaram residência fazendo crescer e multiplicar a família que deu seu nome a esta que é, hoje, um orgulho para todos os que aqui residem.

Vieram da cidade de Carmo do Paranaíba, em Minas Gerais. João Braz casou-se duas vezes, sendo a primeira com Ana Bittencourt (de descendência francesa) e a segunda com Dona Maria. Do primeiro matrimônio nasceram os filhos: Eduardo, Vergílio, Ponciano, Antônio, Manoel, Amélia e Castroina. Do segundo casamento nasceram: João, José, Pedro, Orozina, Abílio, Benedito, Joaquim, Jovelino e Otaviano. O filho Manoel,  do primeiro matrimônio, casou se com uma filha dos Cardoso de Oliveira, de nome Melânia e Abílio, do segundo matrimônio, casou-se também com uma Cardoso de Oliveira, de nome Elmira.

OS ABREU LIMA 
O patriarca da Família Abreu Lima, a primeira a chegar à região, juntamente com os Rodrigues do Prado, isto no final do século XIX, era Antônio Vitor de Abreu Lima, cuja esposa chamara-se Joana de Abreu Lima. Este casal, oriundo de Minas Gerais, gerou seis filhos: Manoel, Agostinho, Joaquim, José, Herculano e Vicente. Todos viveram nas terras de Brazlândia no final do século XIX e início do século XX e deram à luz a uma terceira geração de Abreu Lima. O filho mais velho, Manoel, casou-se com uma Rodrigues do Prado, de nome Maria.

OS RODRIGUES DO PRADO

Os Rodrigues do Prado, também oriundos de Minas Gerais e que chegaram à região juntamente com os Abreu Lima, tinham como chefe do clã o senhor Antonio Manoel Rodrigues do Prado, casado com Catarina Rodrigues do Prado. Tiveram onze filhos: Ventura, Bento, Paulino, Maria (que se casou com um Abreu Lima, de nome Manoel), Delfina, Teresa, Cassiana, Getúlio, Antonia, Francisca e Jonas.

OS CARDOSO DE OLIVEIRA

A quarta família a chegar às terras goianas da Chapadinha, no Vão dos Angicos, mais ou menos em 1910, a exemplo dos Braz, foi a dos Cardoso de Oliveira, procedentes de Posse, em Goiás. Eram cinco irmãos: Antonio (Tota), Leonardo, Etelvino, Ernesto e Vicente. Antonio e Leonardo eram casados com moças de Minas Gerais, Maria Cristina e Julieta Ratz, respectivamente. Antonio Cardoso de Oliveira, o Tota, e Dona Maria Cristina geraram seis filhos: Benjamin, Cristiano, Antonieta, Clóvis, Elza, Julieta e Antonio. Antonieta casou-se com Voltaire Aires Cavalcante, que chegou à região procedente de São José do Duro, hoje Dianópolis, em Goiás.

O segundo irmão, Leonardo Cardoso de Oliveira e Dona Julieta Ratz geraram dez filhos: José, Elmira, Maria, Melânia, Judith, Elvira, Joana, Benedita, João e Domingos. Duas de suas filhas casaram-se com dois irmãos Braz: Melânia casou-se com Manoel e Elmira com Abílio. Judith casou-se com Benedito Carlos de Oliveira, o Bidó, Elvira casou-se com Ivo Alves Rabelo, procedente de Formosa.

O terceiro irmão, Etelvino Cardoso de Oliveira, casou-se com Dona Apolinária, gerando seis filhos: Coleto, Maria, Nei, Ruth, Ozana e Belarmina.

O quarto, Ernesto Cardoso de Oliveira, casou-se com Dona Maria Amâncio, gerando quatro filhos: Itamar, Adair, Jurandina (a loura) e Natália (a nega).

O quinto irmão, Vicente Cardoso de Oliveira, contraiu núpcias duas vezes: a primeira com Dona Clotildes e a segunda com Dona Jocunda. Gerou seis descendentes: Elias, Dustan, Gerson, Toninho, Maria e Valdeci.

Assim nasceu Brazlândia!

WeCreativez WhatsApp Support
Queremos ouvir você! Ajude o Brasília Online a ficar com a sua cara.
👋 Mande sua mensagem, notícia, elogio, reclamação ou dúvida sobre anúncio

Os cookies nos ajudam a fornecer, proteger e melhorar nossos produtos e serviços. Ao usar nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Configurações de cookies

Abaixo você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalOur website uses functional cookies. These cookies are necessary to let our website work.

AnalyticalOur website uses analytical cookies to make it possible to analyze our website and optimize for the purpose of a.o. the usability.

Social mediaOur website places social media cookies to show you 3rd party content like YouTube and FaceBook. These cookies may track your personal data.

AdvertisingOur website places advertising cookies to show you 3rd party advertisements based on your interests. These cookies may track your personal data.

OtherOur website places 3rd party cookies from other 3rd party services which aren't Analytical, Social media or Advertising.