domingo, 24 outubro de 2021
Aqui você fica por dentro de tudo que acontece em Brazlândia.

Brazlândia – DF

Cultura e Arte

Entre lugares – Diálogo com a arte e as memórias de Galeno

3 Mins read
Entrevista Concedida á Luciany Osório

Quando cheguei a Brazlândia e as pessoas ficavam sabendo que eu trabalhava com arte, logo me perguntavam se conhecia o Galeno. A pergunta vinha sempre carregada com um misto de admiração e orgulho do personagem ilustre da cidade. Oito anos depois, ainda é fácil reconhecer que o artista habita o imaginário dos moradores da cidade que o recebeu ainda criança.

 

 

Francisco Galeno saiu do Piauí aos oito anos, acompanhado da mãe e dos irmãos para se encontrar com o pai, que viera antes trabalhar nas obras da nova capital. Foi morando em um acampamento, junto com a família às margens do Lago Paranoá, que começou a descobrir através das brincadeiras de criança esse novo espaço. A mudança para Brazlândia se deu quatro anos mais tarde e foi aqui que ele passou toda a adolescência e vida adulta. Para Galeno essa nova fase foi como uma aventura de menino, uma oportunidade para explorar este novo lugar.

Santuário Menino Jesus de Praga em Brazlândia. Foto do acervo pessoal do artista.

De uma família repleta de artesãos habilidosos, cujo bisavô fazia canoas, o avô fazia selas e a mãe rendeira, Galeno se recorda que o que lhe interessava durante a infância eram os carreteis descartados pela mãe e que lhe serviam para a construção de brinquedos. Cresceu vendo Batista, o irmão mais velho, se desenvolver como artista produzindo suas esculturas.

Galeno e os filhos no Santuário Menino Jesus de Praga em Brazlândia. Foto do acervo pessoal do artista

Ao rememorar os tempos alegres da infância, Galeno ressalta a importância destas memórias e destes espaços onde viveu para a sua obra. Para o artista tanto as vivência da primeira infância no Piauí quanto sua trajetória no Distrito Federal foram de suma importância para a construção poética das suas obras.

 

 

 

 

 

“Se tivesse que viver de novo com certeza viveria coisas que não deu tempo ou coisas que eu esqueci de fazer”.

Espelho d’água, 1980. Óleo sobre tela. Obra sobre Brazlândia

 

 

Na juventude flertou com a música e com o teatro até se encontrar nas artes plásticas. Iniciou sua carreira artística como pintor de paisagens, mas logo percebeu que precisava encontrar sua própria identidade e estilo como artista. Foi no contato com importantes nomes das artes plásticas, como Siron Franco, Antônio Poteiro, Athos Bulcão, Quinca, Rubens Valentin, entre outros, que Galeno se descobriu dentro do movimento construtivista da arte brasileira.

 

 

 

“Eu passei a entender a partir do momento que eu estava ali dentro”.

 

Dono de obras vibrantes construídas por pedaços de memórias, a arte de Galeno dialoga com a cultura popular brasileira ao mesmo tempo em que se assume moderna. Entre pinturas, esculturas e objetos que exploram diferentes materiais como ferro e madeira é possível identificar em suas produções trechos da sua história.

Óleo sobre Madeira. 2020

 

Tendo participado de diversas exposições coletivas e individuais em várias partes do Brasil, Alemanha, França e Suécia, o artista lembra de momentos em que expôs suas obras no Santuário Menino Jesus e na Biblioteca Érico Veríssimo em Brazlândia e ressalta que assim como hoje, a cidade não tinha espaços dedicados a arte e que desta forma teve que improvisar locais para que sua obra fosse também apresentada para os moradores da cidade.

Hoje, Galeno se divide entre seus dois ateliês, um em Brazlândia e o outro na Parnaíba, e se alegra pelo fato de estar sempre em casa, ou aqui ou lá. Perguntado sobre a fase que está vivendo como artista, Galeno celebra a relevância da maturidade em sua obra.

Óleo sobre Papel. 2020

“É um período em que você está pronto para desenvolver coisas melhores. Dizem que o artista é como o vinho, quanto mais velho melhor”.

O artista foi homenageado pelo escritor Daniel Porto Poeta com um poema em seu livro Poesias do Porto – A mulher, o poeta e a cidade (2013). Galeno retribuiu a homenagem com a obra que ilustra a capa do livro. Esses encontros com a cidade e outros artistas locais intensificam ainda mais os laços de Galeno com essa terra.

 

UM PEDACINHO DE BRASÍLIA NOS OLHOS DE GALENO

(Autor Daniel Porto Poeta)

Brazlândia

Tu és para mim a única

singela

bela

acolhedora

 

canteiros de alma

com muitas flores

de um aroma fraternal

laço que nos une

 

trilhas verdes

cachoeiras

 

água em abundância

para quem tem sede.

Tu és para mim a única

 

e a cestinha de morango

nos olhos rasgadinhos

da menina conta sua vida

 

 

3 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de suporte ao cliente está aqui para lhe ajudar.
👋 Anuncie com a gente!

Os cookies nos ajudam a fornecer, proteger e melhorar nossos produtos e serviços. Ao usar nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Configurações de cookies

Abaixo você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalOur website uses functional cookies. These cookies are necessary to let our website work.

AnalyticalOur website uses analytical cookies to make it possible to analyze our website and optimize for the purpose of a.o. the usability.

Social mediaOur website places social media cookies to show you 3rd party content like YouTube and FaceBook. These cookies may track your personal data.

AdvertisingOur website places advertising cookies to show you 3rd party advertisements based on your interests. These cookies may track your personal data.

OtherOur website places 3rd party cookies from other 3rd party services which aren't Analytical, Social media or Advertising.