terça-feira, 26 outubro de 2021
Aqui você fica por dentro de tudo que acontece em Brazlândia.

Brazlândia – DF

Notícias

Covid-19: “Não relaxe”, pede secretário de Saúde à população do DF

6 Mins read

Segundo o secretário de Saúde, Osnei Okumoto, o descaso da população com as medidas sanitárias contribui para o aumento na taxa de transmissão do novo coronavírus que, desde sábado, sobe na capital. GDF está alerta a uma possível segunda onda da covid-19

 (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

O aumento da taxa de transmissão do novo coronavírus deixou o governo do Distrito Federal atento para uma possível segunda onda da covid-19. Na manhã de ontem, em coletiva no Palácio do Buriti, o secretário de Saúde, Osnei Okumoto, fez um apelo para que os brasilienses não relaxem as medidas de segurança, pois, só assim, é possível evitar a disseminação do vírus. “Quando observamos a taxa de transmissão R(t) do DF, estamos em alerta para uma possível segunda onda”, observou. Desde 28 de novembro, este índice é de 1,3 — em que 100 infectados passa o vírus para 130 pessoas —, o que, segundo o secretário, indica um avanço do novo coronavírus na capital federal. A taxa é um dos três fatores utilizados pela Secretaria de Saúde (SES-DF) para avaliar a situação da pandemia em Brasília.

Os outros dois elementos são: o número de óbitos e a quantidade de pessoas internadas devido à covid-19. Segundo o último boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde divulgado ontem, em 24 horas, o DF registrou 444 casos e cinco mortes devido à doença, somando 229.146 infectados e 3.930 óbitos. Sessenta e um pacientes estão em leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) — na capital, há 205 leitos de UTI, em nove hospitais da rede pública de saúde, para o tratamento do novo coronavírus. Os recuperados são 208.482 (95,4%).

Segundo Okumoto, os índices avaliados chamam a atenção, no entanto, não demonstram a necessidade de retomar medidas rígidas como o fechamento do comércio. “Há um aumento de casos, mas, ainda, temos leitos vazios em UTIs e enfermarias da rede pública. É o que estamos observando para decidir as medidas de enfrentamento necessárias”, afirmou o secretário de Saúde.

Durante a coletiva, Okumoto avaliou que o avanço da doença é uma consequência do relaxamento da população em relação aos protocolos de segurança sanitária. “Percebemos uma grande quantidade de jovens em bares e estabelecimentos, compartilhando itens de uso pessoal, como copos, e sem máscaras. Isso aumenta a transmissão do vírus. Por isso, solicito, novamente, que a população tome cuidado e não relaxe”, ressaltou. Entre pessoas de 20 a 29 anos, em que a taxa de letalidade é de 0,1%, há 42,2 mil infectados e 32 mortes. Na faixa etária de 80 anos ou mais, o índice de mortalidade é bem maior, 29% — dos 3.885 pacientes, 1.005 evoluíram a óbitos.

“As pessoas precisam seguir as medidas de proteção, evitar aglomerações, utilizar as máscaras, fazer a higienização das mãos e, quem for do grupo de risco, por favor, não saia de casa”, completou Okumoto.

Combate

O secretário de Saúde detalhou algumas medidas de combate à crise sanitária, sendo a principal delas o inquérito epidemiológico, que terá início amanhã, em Ceilândia, e deve terminar, no máximo, em 20 de dezembro. “É necessário, em nível de estudo e pesquisa, para entender como o vírus circulou e circula no DF”, destacou Okumoto. Ele explicou que a pasta recebeu uma doação de 10 mil testes, do tipo IgG e IgM, da Fecomércio, para serem usados na investigação.

Para desenvolver o inquérito, foram solicitados 34 profissionais da atenção primária à saúde, 34 bombeiros e viaturas e 34 profissionais do Serviço Social do Comércio (Sesc). A pesquisa será realizada por meio de amostragem e sorteio, com busca ativa das pessoas para fazer os testes. Serão 230 escolhidos em cada uma das 34 regiões administrativas para fazerem exames e verificarem se carregam anticorpos ou não. “Precisaremos do apoio de todos para realizarmos este estudo. Por favor, recebam os profissionais de saúde em casa e participem da pesquisa”, frisou o secretário.

Okumoto informou que a pasta está tomando as providências para equipar o Hospital de Campanha de Ceilândia, que teve as obras finalizadas na última sexta-feira. “Todos os equipamentos serão oriundos do Hospital de Campanha do Mané Garrincha. O investimento foi de R$ 10,4 milhões, e o hospital terá 60 leitos”, garantiu. A unidade, localizada na QNN 27, deve começar a funcionar nos próximos 20 dias.

Oito meses de crise

Especialistas ouvidos pelo Correio observam que, por enquanto, apenas o índice de infecção tem variado, não o de mortes. “Isso pode ser justificado por dois fatores: o primeiro é o acesso maior ao diagnóstico. O segundo é que o DF tem uma população mais jovem se expondo em bares, em atividades de lazer, voltando a se comportar como antes. É bem provável que essa população jovem, que estava restrita, hoje, esteja se expondo ao vírus, que continua circulando. E a população jovem tem uma taxa de letalidade baixa”, explica o infectologista Hemerson Luz. No DF,

A preocupação principal, segundo o médico, é de que haja superlotação do sistema de saúde, caso não a população não seja responsável. “O risco maior é aumentar a taxa de ocupação das UITs e, com isso, teremos aumentos na taxa de letalidade, por falta de leitos. É um risco que a gente está correndo. É difícil dizer se estamos na segunda onda ou se virá, não há uma definição clara. Quando há uma doença transmissível, é necessário que alguma autoridade sanitária declare que ela está controlada. Isso não ocorreu. Tivemos um gráfico descendente, mas ainda com impacto na saúde”, ressalta.

Desde que o governo flexibilizou as medidas de isolamento, tem sido comum aglomerações em pontos da cidade, como na orla do Lago Paranoá, parques e estabelecimentos comerciais. A queda na taxa de transmissão levou mais pessoas a saírem às ruas. A professora e historiadora Eliete Barbosa de Brito Silva, 51, acredita que esse comportamento é perigoso.

“Eu me encontro bastante preocupada, não só comigo, mas com a população. A nossa tendência, quando algo se delonga, é naturalizarmos esse fato. Em função desse prolongamento, dessa condição de exceção à qual estamos vivendo, as pessoas tendem a naturalizar a pandemia e, consequentemente, deixar de lado as prevenções. Começam a pensar: é só um pouquinho. Ninguém pensa que naquela pracinha pode ter alguém infectado sem sintomas. São preocupações que passam despercebidas, que podem parecer neuróticas para quem já naturalizou a situação, mas são indispensáveis para que a gente permaneça saudável”, defende Eliete.

Saiba mais

Comportamento do vírus

Chamada de R(t), a taxa de transmissão é uma estimativa de como a doença se espalha entre a população. Quando esse número é menor ou igual a 1, espera-se queda no número de casos. Quando é maior que 1, espera-se um aumento nos registros. Por exemplo: uma taxa de transmissão igual a 1 significa que 100 infectados transmitem o vírus para 100 pessoas. Se a taxa de transmissão é igual a 0,5, significa que 100 infectados passam a doença para 50 pessoas.

Estratégias

Para evitar a disseminação do novo coronavírus, o Governo do Distrito Federal (GDF) garante que está preparado para a possibilidade de uma segunda onda. Entre as medidas de combate preparadas pela pasta, estão:

• Em 2 de dezembro, quarta-feira, o inquérito epidemiológico será iniciado para avaliar o índice de transmissibilidade e a circulação da covid-19. Serão aplicados 10 mil testes em 230 pessoas de cada um das 34 região administrativa do DF. A pesquisa dará ao GDF subsídios para identificar eventuais riscos de uma segunda onda de coronavírus e adotar novas medidas de prevenção e combate à pandemia.

• Hoje, 1º de dezembro, a Secretaria de Saúde abre as inscrições para o Processo Seletivo Simplificado Emergencial para a contratação temporária de 52 médicos imediatos e formação de cadastro reserva de outros 26. As inscrições devem ser feitas na página do Instituto AOCP (www.institutoaocp.org.br). As vagas são para o Samu e os hospitais da Asa Norte e de Brazlândia.

• Mais 150 mil testes rápidos foram entregues, em novembro, pelo Ministério da Saúde e disponibilizados para as unidades a fim de detectar os casos da covid-19. Além disso, o Laboratório Central (Lacen) é reabastecido, mensalmente, com 18 mil kits para a análise de testes do tipo RT-PCR.

• Por fim, a pasta continua orientando a população para que evite aglomerações, mantenha o uso de máscaras e faça a higiene das mãos com água e sabão ou álcool em gel 70%.

 

Informações Correio Braziliense

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WeCreativez WhatsApp Support
Queremos ouvir você! Ajude o Portal de Brazlândia a ficar com a sua cara.
👋 Mande sua mensagem, notícia, elogio, reclamação ou dúvida sobre anúncio

Os cookies nos ajudam a fornecer, proteger e melhorar nossos produtos e serviços. Ao usar nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Configurações de cookies

Abaixo você pode escolher quais tipos de cookies permitem neste site. Clique no botão "Salvar configurações de cookies" para aplicar sua escolha.

FunctionalOur website uses functional cookies. These cookies are necessary to let our website work.

AnalyticalOur website uses analytical cookies to make it possible to analyze our website and optimize for the purpose of a.o. the usability.

Social mediaOur website places social media cookies to show you 3rd party content like YouTube and FaceBook. These cookies may track your personal data.

AdvertisingOur website places advertising cookies to show you 3rd party advertisements based on your interests. These cookies may track your personal data.

OtherOur website places 3rd party cookies from other 3rd party services which aren't Analytical, Social media or Advertising.